O verdadeiro objetivo do conhecimento profético se alcança apenas pela reforma interior, e não pelo conhecimento acumulado em si mesmo.

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Datas em profecias

(clique nas imagens para amplia-las)

Não deixe de ler o post "O que são Profecias".

Texto baseado no post "Datas em Profecias", da Comunidade Profecias.

O que se segue são hipóteses. Não estou me propondo aqui a dar respostas definitivas, mas apenas a ajudar na tentativa de compreensão do tema. O que escrevo é meu ponto de vista e não é uma verdade absoluta.

Datas em Profecias

Existem variadas citações de Datas em relatos proféticos, algumas diretas, outras obtidas por cálculos elaborados ou baseados em premissas parciais.

Qualquer data será sempre parcial, porque baseia-se em um evento qualquer que foi estabelecido, por consenso ou por imposição, para se tornar o PONTO ZERO da contagem de tempo. E é por isso que existem tantos calendários, tantas formas de contar o tempo, isso sem contar as imprecisões e as reformas dentro dos próprios calendários, que fizeram perder dias, e mesmo semanas ao longo dos Séculos.

Atualmente existem 40 Calendários em uso no Mundo, que podem ser classificados em três grandes tipos :

- Solares: Baseados no movimento da Terra em torno do Sol; os meses não têm conexão com o movimento da Lua. (exemplo: Calendário Cristão)
- Lunares: Baseados no movimento da Lua; o ano não tem conexão com o movimento da Terra em torno do Sol. (exemplo: Calendário Islâmico)
- Lunisolares: Os anos estão relacionados com o movimento da Terra em torno do Sol e os meses com o movimento da Lua em torno da Terra. (exemplo: Calendário Hebreu)

Então qualquer data, qualquer Calendário, é fruto de uma arbitrariedade que decidiu que, a partir de um ponto qualquer no tempo, motivado por um evento natural ou histórico, se iniciaria uma contagem de tempo.

No Calendário judeu estamos em 5769, no hindu em 5109, no islâmico em 1430, e no “Calendário Comum” ou Cristão Gregoriano, em 2008.

Previsões reais = previsões Verdadeiras ?!

Neste texto eu não falo de previsões deliberadamente falsas, mas de previsões e interpretações reais, embora não necessariamente verdadeiras.

A ocorrência de um fenômeno de natureza profética ou “fantástico”, qualquer que seja sua natureza, seu nome auto-declarado ou sua aparência, não necessariamente representa uma ocorrência verdadeira, no mais estrito significado do termo.


Marcos Proféticos

Na Revelação temos um aviso bem claro : "Lembra-te, pois, do que tens recebido e ouvido, e guarda-o, e arrepende-te. E, se não vigiares, virei sobre ti como um ladrão, e não saberás a que hora sobre ti virei." (Apocalipse 3:3 )

O texto refere-se aos Ensinamentos e as Profecias, quando nos aconselha a “Lembrar do que temos recebido e ouvido”, e diz claramente que “não saberás a que hora sobre ti virei”.


O que existem são indicações da proximidade destes eventos; todos fornecidos pelas próprias fontes proféticas, algo que eu chamo de "MARCOS PROFÉTICOS".

Através do entendimento destas indicações, que podemos considerar sinalizadores, podemos estar atentos a veracidade ou não das profecias, bem como estimar um período para o seu desfecho.

O mais importante e reconhecido “marco profético”, é a Fundação do Estado de Israel, ocorrida em 1948.

Sobre nossos tempos, sobre esta profusão de profecias apócrifas e de datas que nunca acontecem, há Profecias que também falam nisso. E para cada data não cumprida, porque falsamente transmitida, há uma legião de pessoas que se afastam do tema profético, e o malefício é enorme.

"Porque se levantarão falsos cristos, e falsos profetas, e farão sinais e prodígios, para enganarem, se for possível, até os escolhidos." (Marcos 13:22)

"Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas, interiormente, são lobos devoradores." (Mateus 7:15)

As premissas

As premissas para datas em Profecias podem ser aplicadas não apenas em datas, mas sobre uma série de outras questões relacionadas a Profecias.

DATAS são acontecimentos, portanto pode-se substituir um termo pelo outro que as explicações permanecem válidas.


- a é a baseada na intenção verdadeira daqueles que RECEBERAM a mensagem profética e mencionaram datas.

Isso se explica porque durante o processo de captação do fato profético (visão, bilocação, audição, inspiração, sonho, etc ...), o “olhar” do receptor teria erroneamente interpretado algum aspecto da mensagem, deduzindo e divulgando que existe uma data para a conclusão do fato recebido ou vislumbrado.

- a também baseada na intenção verdadeira daqueles que RECEBERAM a mensagem profética, e é correta dentro de uma "linha de tempo" específica.

Acontecimentos posteriores alteraram esta "linha de tempo", e os acontecimentos proféticos vislumbrados foram postergados. Fatos profeciados que poderiam acontecer em um determinado período de tempo, não ocorreram porque suas pré-condições não foram satisfeitas. Se tais pré-condições ocorrerem no futuro, poderão novamente disparar o acontecimento profeciado, que obviamente ocorrerá em tempo diferente do previsto.
Essa SEGUNDA situação pode combinar-se com a PRIMEIRA, traduzindo-se na prática em mais uma situação ao qual uma data "fornecida" profeticamente pode se mostrar completamente errada.
Falar em “Linha de tempo” pode soar estranho, mas estamos falando de fatos que transcendem tempo e espaço, porque é exatamente isso que é a essência de uma Profecia : a transcendência de um acontecimento no tempo e no espaço.

- a é baseada na intenção verdadeira daqueles que INTERPRETAM um fato profético, e erroneamente pensam ter chegado a datas para a conclusão de um ou mais acontecimentos profeciados.

Não há mal nenhum nisso, desde que as interpretações sejam tratadas como tal : Interpretações e não fatos !!

- a é baseada na parcialidade, sem levar em conta variados aspectos da questão.
Na maioria das vezes, um dado ou referencia é "pincelado" como evidência, desconsiderando os demais fatos ou pré-condições que também deverão ser satisfeitas no texto ou textos proféticos, e a partir daí o dado "fisgado" serve para provar uma afirmativa de uma data. Alguns fazem isso deliberadamente para bagunçar ou confundir, mas outros fazem isso motivados por sua Crença ou descrença, e pensam agir corretamente.

- a é a categoria das FALSAMENTE INSPIRADAS, e pessoalmente considero esta a mais perniciosa.
"sábios" de origem duvidosa chamados de "mestres", "espíritos" e até mesmo de "anjos" ou "santos" repassam informações normalmente em processo mediúnico, inspiratório ou através de canalizações ou processos similares. Dessa forma, podem se reportar a datas, que o portador da mensagem repassará como sendo verdadeira.

Nestes casos a intenção de quem recebe a mensagem PODE SER verdadeira ou não, mas a fonte não é, embora o contato seja fruto de experiência espiritual ou mística. Eu diria que este é o que está “mais na moda” nos dias de hoje.

Referencias Fracas

DATAS não são mais que referencias fracas e que nada servem para nós relativo a PROFECIAS.

Existem registradas mais de 220 datas diferentes para a conclusão de Profecias, e NENHUMA delas se cumpriu no passado, sendo que este montante é apenas uma amostra de datas que foram e continuam sendo fornecidas, e que surgem em um grau maior ou menor, de pelo menos UMA das premissas acima.

Nós precisamos de datas para nos relacionar, mas para aqueles que nos trazem as Verdades proféticas, inspirando os homens ao longo dos séculos, datas são de uma total inutilidade.

Jamais foi dado a ninguém saber disso, e se souber, de nada adianta sabe-lo porque esse acontecimento não faculta a barganha, não permite que se esconda ou que se fuja.

Para nós que estudamos o tema, penso que devemos observar os eventos claramente descritos, os "MARCOS PROFÉTICOS", e estes servem de balizamento para antevermos acontecimentos, embora na prática isso sirva apenas para aplacar nossa curiosidade.

O verdadeiro objetivo do conhecimento Profético
se alcança apenas pela reforma interior,
e não pelo conhecimento acumulado em sí mesmo.


OBSERVAÇÃO :

Profecias Maias
(imagens da Galeria do Leonardo)

Meso-america


Praticamente todos já ouviram falar sobre o ano de 2012, e sobre terríveis acontecimentos que supostamente irão se suceder neste ano.

A questão é baseada no Calendário Maia e se constitue, ao meu ver, de tipicas situações 3 e 4 descritas mais acima.


Pedra do Sol - Calendário Maia


Sobre a TERCEIRA, não há menções sobre Fim da humanidade no Calendário Maia, mas sobre Fim de um Ciclo e o Início de outro. Desta forma as afirmativas de destruição em 2012 são fruto de interpretações, alias de sequencias de interpretações.


Sobre a QUARTA, as afirmativas sobre a questão da destruição em 2012 NÃO LEVAM EM CONTA todas as demais Profecias que indicam uma passagem de tempo maior do que apenas os 3 anos que restam entre agora e 2012. Ou seja, são interpretações PARCIAIS, fechadas em sí mesmas e que desconsideram todo o resto, como a Bíblia ou o Corão por exemplo.


Em 2012 aparentemente se encerra um Ciclo indicado pelos Maias em seu Calendário. E em seguida inicia-se outro.


Qualquer estágio entre uma condição e outra é tumultuada. Quem muda de casa, de emprego, de namorada, de País, de Cidade, ..., qualquer mudança é complexa e requer um período de ajustes, mudanças, transformações, enfim, um período de Transição.


Entendo que este período entre os dois Ciclos indicados será caracterizado por diversos ajustes, mudanças e transformações, até que o novo Ciclo possa tomar seu lugar. Os paralelos proféticos ficam mais evidentes e a estória toda ganha coerência no contexto dos demais textos proféticos.


E Porque 2012 ?


A contagem de tempo dos Maias é bem diferente da nossa.

Rodas do Tempo - Método milenar de contagem dos tempos.
Dias perfeitos de 260 dias e ciclos corrigidos de 30 anos

1 kin = 1 dia

1 uinal = 20 x kin = 20 dias

1 tun = 18 x uinal = 360 dias / 365 = 0,99 anos

1 katun = 20 x tun = 7.200 dias /365 = aprox 19,73 anos

1 baktun = 20 x katun = 144.000 dias /365 = aprox 394,52 anos

Grande Círculo = 13 x baktun = 1.872.000 dias /365 = aprox. 5.128,77 anos.


O ciclo de tempo contado pelos Maias encerra-se neste ponto, ou seja, 5.128,77 anos.
Nesse periodo há aproximadamente 1.282,19 anos bissextos (com 366 dias), o que equivale a 3,51 anos. Subtraindo esse numero, resultaria em aproximadamente 5.125,26 anos.


Um dia de Agosto de 3113 ac (nosso calendário) foi considerado na cultura Maia o MARCO ZERO de seu sistema de contagem de tempo. Através do uso do próprio Calendário Maia, juntamente com referencias astronomicas posteriores, determinou-se que dia foi o MARCO ZERO : 13 de Agosto.


Nesta data ocorreu o "Nascimento de Vênus", o fato que deu início da contagem de tempo deste Calendário.


3113 ac (o início do calendário) menos o total de anos do calendário, 5125 ==> 2012 de nossa era.

Mas esta conta não é exata e a correlação com nosso Calendário indica o final deste período entre 2011 e 2014, dependendo do método utilizado de correlação. Varia também quanto ao dia de término, indo de Agosto a Dezembro, dependendo dos calculos.

E mesmo o próprio ponto de início do Calendário também não é consenso, sendo mais aceitos os anos de 3113 ac e 3114 ac, variando também entre os dias 10 e 13 de Agosto.

Portanto não há EXATIDÃO nestas contas, elas são na melhor das hipóteses APROXIMADAS.

O mais conhecido e aceito método de datação do Calendário Maia é chamado de "Correlação GMT" (Goodman-Martinez-Thompson) e não é uma unanimidade !!





(clique nas imagens para amplia-las)

-->




Não deixe de ler os post anteriores.

Compre o Livro "O que são Profecias"

Compre o Livro "O que são Profecias"
Links para Compra do Livro

Participe do MidiaeProfecia Espaços

Contato

Minha foto
Curioso sobre Profecias e assuntos relacionados.