O verdadeiro objetivo do conhecimento profético se alcança apenas pela reforma interior, e não pelo conhecimento acumulado em si mesmo.

quinta-feira, 7 de junho de 2007

Inversão Magnética e Verticalização do Eixo Imaginário


(clique nas imagens do Blog para amplia-las)




"A segunda vinda de Jesus Cristo

Para que vos lembreis das palavras que dantes foram ditas pelos santos profetas, e do mandamento do Senhor e Salvador, dado mediante os vossos apóstolos; sabendo primeiro isto, que nos últimos dias virão escarnecedores com zombaria andando segundo as suas próprias concupiscências, e dizendo: Onde está a promessa da sua vinda? porque desde que os pais dormiram, todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação. 
... mas os céus e a terra de agora, pela mesma palavra, têm sido guardados para o fogo, sendo reservados para o dia do juízo e da perdição dos homens ímpios. Mas vós, amados, não ignoreis uma coisa: que um dia para o Senhor é como mil anos, e mil anos como um dia.O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; porém é longânimo para convosco, não querendo que ninguém se perca, senão que todos venham a arrepender-se.
Virá, pois, como ladrão o dia do Senhor, no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se dissolverão, e a terra, e as obras que nela há, serão descobertas. Ora, uma vez que todas estas coisas hão de ser assim dissolvidas, que pessoas não deveis ser em santidade e piedade, aguardando, e desejando ardentemente a vinda do dia de Deus, em que os céus, em fogo se dissolverão, e os elementos, ardendo, se fundirão?"


(2Pedro 3:2-4 / 7-12)



**

I M P O R T A N T E 


As informações a seguir NÃO REFLETEM adequadamente os aspectos Religiosos, Morais e Proféticos da Segunda vinda de Jesus, mas buscam explicar a pálida luz de nossa ciência, como alguns eventos cientificamente aceitos poderiam se encaixar nas mudanças geofísicas profetizadas.


Portanto não são explicações que abrangem a totalidade da questão, mas apenas um de seus aspectos.

**


INVERSÃO magnética é algo natural e cíclico, podendo ser parcial ou total. Há 100 anos a ciência reconhece que vem havendo alteração no campo magnético da Terra e vem registrando o fato. A ciência entende que a última inversão total ocorreu em torno de 700 mil anos atrás. Flutuações e variações no campo magnético são absolutamente normais.

Sobre isso, se houvesse uma INVERSÃO TOTAL, traria diversos inconvenientes tecnológicos mas não afetaria a estrutura física da vida humana. As cidades permaneceriam intactas. Os efeitos seriam indiretos; correntes marinhas se alterariam e com isso o clima se alteraria, também por causa das mudanças na ionosfera. Animais que migram ou se orientam pelo campo magnético seriam afetados e muitas espécies de animais e plantas acabariam extintas.

O HOMEM sofreria as conseqüências disso, afetado pelas mudanças climáticas, notadamente na questão da produção de alimentos e na ocorrência de fenômenos naturais em locais em que estes eventos não ocorrem atualmente ou por sua intensificação em regiões de atual ocorrência (furações, secas, chuvas em excesso, etc..).

Haveria também problemas na questão do comércio global e comunicações. Navios, aviões, satélites, telefones, TV, rádio, tudo seria afetado.

Pode-se antever um colapso econômico global decorrente disso, o que por sua vez traria suas próprias conseqüências, como o desemprego, aumento da miséria, aumento das tensões sociais, violência, criminalidade e mesmo guerras.


de 1600 (Modelos) a 2000



Variação do Polo NORTE Magnético, ao longo deste Século.



Variação com projeção até 2050.




Variação do Polo SUL Magnético, ao longo deste Século






Sobre a VERTICALIZAÇÃO

É um processo ao qual a inclinação do Eixo imaginário sofreria mudanças e isso teria conseqüências dramáticas e IMEDIATAS.

Seria como uma IMENSA sacudida; os mares se agitariam e tomariam terras secas, também fazendo emergir terras submersas. A crosta tremeria sobre o Manto e tudo sairia do lugar. Toda a infra-estrutura de nossa civilização poderia desaparecer em minutos.

Além disso, é a inclinação terrestre atual que mantém os ciclos de estações aos quais variadas formas de vida adaptaram-se. Então se a inclinação for alterada, levemente que seja, todo o ciclo climático será alterado e as conseqüências decorrentes atingiriam várias espécies de animais e vegetais.

Os efeitos de uma teórica Verticalização são muito mais dramáticos do que uma Inversão, pois a Verticalização é um processo rápido e que afeta FISICAMENTE a crosta, enquanto que a Inversão é um processo mais lento e que afeta os sistemas naturais que regem a biosfera, sem afeta-la fisicamente, mas de forma indireta.

INVERSÃO magnética e VERTICALIZAÇÃO do Eixo imaginário são coisas diferentes, embora ambos tenham conseqüências nefastas para o homem, para a civilização, para animais e toda a natureza. A verticalização talvez causasse uma inversão, mas não o contrário.

Verticalização é possível ?!

Aqui temos que fazer uma diferenciação fundamental.

O processo não só é possível como é natural (mais abaixo), mas o que denominamos aqui de Verticalização seria a ocorrência brusca do fenônemo.

E parecem haver indícios geológicos de que já ocorreu desta forma, e neste caso, as forças envolvidas estão muito acima da escala humana e jamais foi visto algo parecido.

Para que algo dessa forma ocorra, teria que haver uma redistribuição das próprias forças que regem a harmonia de nosso Mundo e talvez mesmo, dos planetas do Sistema Solar.

Diante disso, uma explicação possível é a introdução de um elemento externo que exerça uma interferência tão grande, a ponto de temporariamente ou definitivamente alterar as forças que regem a harmonia do nosso Sistema Solar. Este novo elemento iria alterar o equilíbrio atual e a natureza buscaria novo equilíbrio, conforme descrito nas Leis de Gravitação de Kepler e Newton.

Profeticamente, entende-se que esse elemento externo pode ser um astro intruso, que seria um corpo celeste com grande massa ou pequeno com grande poder de atração magnética (Astro intruso, Hercolubus, Nibirú, Marduk, Planeta X, Absinto, Planeta Chupão, Astro deletério).

Anã-Marrom ?!

Penso que poderia ser uma brow-dwarf, uma Anã-Marrom, um planeta que não é planeta e nem estrela, uma quase-estrela ou proto-estrela. Não se caracteriza pelo tamanho, mas por sua forte atração magnética, já que os processos de reação internos para virar um sol foram iniciados mas não tiveram êxito. São de difícil detecção e para se ter uma idéia, uma anã-marrom com 10 % do tamanho do Sol tem 100 vezes sua densidade.

Se observarmos a descrição sobre o suposto astro intruso, com uma luz avermelhada, a ponto de alguns autores o chamarem de “planeta vermelho”, com brilho próprio e com forte atração magnética, uma anã-marrom torna-se ainda mais factível dentro desta teoria.

As descrições de Nibirú, feitas pelos Sumérios, falam sobre o brilho deste corpo celeste intruso e sugerem que ele podia ser visto mesmo de dia, o que sugere brilho próprio.


FIGURA REPRESENTANDO NIBIRU, constante do Museum
of the Ancient Near East (Vorderasiatisches Museum),
em Berlim.
A imagem foi retirada de um cuneiforme encontrado em Nippur.


“Textos da Mesopotâmia exaltam o brilho do planeta e sugerem que ele podia ser visto mesmo de dia. Um cilindro encontrado em Nippur descreve um grupo de agricultores olhando com temor para o 12º planeta (representado como uma CRUZ), visível nos céus. Os textos da Mesopotâmia falam de um planeta com aparições periódicas, previsíveis e observáveis. Do planeta que se aproxima, era esperado que causasse chuvas e inundações por causa de seu poderoso efeito gravitacional. Assim como os sábios da Mesopotâmia, os profetas hebreus consideravam as épocas de aproximação deste Planeta e sua visibilidade como indícios de Novas Eras para a humanidade.”


Cuneiforme de 2.500 AC, descrevendo nosso Sistema Solar, entre os dois personagens a esquerda da imagem
O detalhe da imagem





Os Sumérios representavam nosso Sistema Solar com 12 corpos celestes : os oito que são considerados Planetas e mais Plutão (recentemente rebaixado), além do Sol, da Lua e Nibirú. Por isso referem-se a Nibirú como o 12º planeta.

Independente de qualquer questionamento sobre se Nibirú existe ou não, intriga o fato de os Sumérios, há 4500 anos atrás, terem conhecimento do modelo Heliocentrista, e de planetas que só foram descobertos recentemente : Urano em 1731, Netuno em 1846 e Plutão em 1930.


Atualização em 22/02/2015


No dia 18 de Fevereiro de 2015 foi divulgada a notícia "Cientistas revelam que estrela alienígena esteve na fronteira do Sistema Solar há 70 mil anos", que afirma "Astrônomos anunciaram que uma estrela provavelmente passou na fronteira do Sistema Solar há 70 mil anos. Nenhuma outra estrela conhecida pela ciência teria chegado tão perto assim do Sol e da Terra. O objeto, uma anã-vermelha batizada de Estrela de Scholz, cruzou os limites de uma região do Sistema Solar conhecida do nuvem de Oort. E ela não estava sozinha. A Estrela de Scholz faz parte de um sistema binário com em que é acompanhada por um outro objeto celeste de menor porte - uma chamada anã-marrom, “estrela fracassada” que não conseguiu acumular massa suficiente para dar início ao processo de fusão de átomos em seu núcleo.".

Portanto Srs., a teoria sobre um suposto corpo celeste intruso é factível, já ocorreu e pode mesmo tornar a acontecer.


Atualização de 14/02/2016


Nemesis e a hipotética possibilidade do segundo Sol








A olho nu não se percebe, mas estima-se que uma em cada três estrelas da Via Láctea tenha uma companheira. Se o número estiver correto, nosso Sol faria parte de uma minoria de estrelas. No entanto, algumas teorias afirmam o contrário e uma pequena estrela-irmã também estaria orbitando nosso Sol.

Em 1980, astrofísicos estadunidenses levantaram pela primeira vez a hipótese de que o Sol também teria uma companheira, o que tornaria o Sistema Solar um sistema duplo de estrelas, a exemplo de Alpha Centauro. Essa hipotética companheira foi batizada de Nêmesis.

Segundo Sol
Segundo a hipótese, Nêmesis seria uma estrela pequena e escura do tipo anã marrom, com uma orbita milhares de vezes mais distante que Plutão e que levaria pelo menos 26 milhões de anos para completar uma revolução ao redor do Sol.

De acordo com alguns estudos, essa longa periodicidade faria a estrela atravessar eventualmente a Nuvem de Oort, arremessando para todos os lados milhões de asteroides ou cometas que poderiam se chocar contra a Terra. Na visão de alguns pesquisadores, mais ou menos a cada 30 milhões de anos ocorrem gigantescos eventos de extinção em massa, associados ao surgimento de uma grande cratera de impacto como a originada há 65 milhões de anos com a queda de um cometa seguida da possível extinção dos dinossauros.

Para os defensores da teoria de Nêmesis, essa seria uma das evidências de sua existência, mas a ausência de um campo gravitacional inequívoco ou crateras marcantes fez com que a possibilidade da existência do segundo Sol permanecesse apenas na teoria.

Sedna
Após a descoberta do planeta-anão Sedna, em novembro de 2003, a possibilidade da existência de Nêmesis foi novamente levantada. Para o astrônomo Michael Brown, autor da descoberta, a órbita de Sedna é uma incógnita ainda sem explicação concreta.



De acordo com Brown, o planeta-anão está em um lugar que não deveria. Sua órbita não o coloca próximo o suficiente para ser afetado pelo Sol nem afastado o bastante para ser influenciado por outras estrelas conhecidas.

No entender de alguns pesquisadores, essa estranha órbita poderia talvez ser justificada pela presença de um objeto com massa entre 3 e 5 vezes a de Júpiter. Devido ao tamanho, esse hipotético objeto não seria observável no espectro visível, mas emitiria grande quantidade de radiação no comprimento de onda do infravermelho. (01/06/2015)


Segunda atualização de 14/02/2016


Evidências de novo planeta no Sistema Solar (Planeta Nove)






Há muito se especula sobre as anomalias orbitais observadas em alguns objetos no Cinturão de Kuiper. Agora, um novo estudo mostra que elas são causadas por um objeto muito grande, o que aumenta as chances de termos mais um grande planeta no Sistema Solar.

Os autores do estudo são Michael Brown e Konstantin Batygin, ligados ao Caltech, Instituto de Tecnologia da Califórnia, que há muito tempo se dedicam ao estudo dos distantes objetos transnetunianos, entre eles Sedna, Eris e Makemake, os dois últimos descobertos por Brown em 2005.



Segundo o estudo, o possível "Planeta Nove" teria 10 vezes a massa da Terra e orbitaria o Sol a cada 15 mil anos. Como sua orbita é bastante alongada, a aproximação máxima do Sol seria de cerca de 30.5 bilhões de km, ou seja, cerca de seis vezes mais longe que Plutão.

Evidências
As evidências da existência desse possível planeta começaram desde que os pesquisadores notaram um pequeno achatamento na orbita de alguns planetas-anões quando esses penetravam o cinturão de Kuiper, uma remota região do Sistema Solar localizada entre 30 UA e 50 UA do Sol (entre 5 bilhões e 7.5 bilhões de km).

As evidências eram tão grandes que muitos cientistas passaram a observar com mais atenção essa região do espaço e desde então diversos estudos foram publicados, entre eles o recente trabalho de Brown e Batygin.

Provável e Difícil de Achar
O trabalho de Brown e Batygin é extremamente sólido e alicerçado por dados observacionais difíceis de serem refutados, o que os leva à conclusão que de fato existe um novo planeta no Sistema Solar, mas que pelas características será um verdadeiro desafio de ser encontrado.

O "Planeta Nove", como está sendo chamado, embora seja bem maior que a Terra é muito escuro e se move muito devagar contra o fundo estelar. Além disso, ainda não se sabe exatamente em que ponto da sua orbita ele se encontra, o que dificulta o apontamento de telescópios.  (21/01/2016)


Atualização de 28/10/2017


Objeto espacial pode ser primeiro visitante interestelar


Um pequeno asteroide ou cometa que foi visto acelerando pelo nosso sistema solar pode ter vindo de outro lugar na galáxia, dizem cientistas espaciais dos Estados Unidos, possivelmente marcando o primeiro visitante interestelar de tal tipo observado da Terra.



O objeto misterioso, até agora conhecido somente como A/2017 U1, foi descoberto neste mês por um pesquisador usando um sofisticado sistema de telescópio na Universidade do Havaí, que continuamente explora o universo por tal fenômeno.

"Nós temos esperado por este dia há décadas", disse Paul Chodas, chefe do Centro para Estudos de Objetos Próximos à Terra, da Nasa, no Laboratório de Propulsão a Jato em Pasadena, na Califórnia.

"Há tempos tem sido teorizado que tais objetos existem - asteroides ou cometas se movendo por entre as estrelas e ocasionalmente passando pelo nosso sistema solar - mas esta é a primeira detecção", disse Chodas.



A massa, de 400 metros de diâmetro, rapidamente se destacou para cientistas por conta de sua órbita extrema, saindo da direção da constelação Lyra, quase diretamente acima do plano elíptico onde os planetas e outros asteroides orbitam o sol.




Fim Atualização

**



Magnetars

Outro tipo de corpo celeste curioso que vale ser comentado é o magnetar, um tipo de estrela de nêutron cuja a existência só foi teorizada em 1992. A primeira emissão detectada, porém, ocorreu em 1979, então foram 13 anos entre a primeira ocorrência de detecção, e a primeira teoria para explicar a imensa força magnética registrada.

Um magnetar tem no mínimo, mil vezes mais campo gravitacional do que uma estrela de neutrons, e esta por sua vez possui um campo gravitacional até 1 bilhão de vezes superior ao da Terra.

Hoje reconhece-se sua existência, e inicialmente considerado uma excentricidade, já admite-se que são comuns, embora pouco se conheça destes estranhos corpos celestes.


Free floating planets


Vale também comentar sobre os chamados “free floating planets" ou “planetas de livre flutuação” ou ainda “planetas errantes”, cujo a confirmação da existência foi realizada em Agosto de 2006, pelo Observatório Europeu Austral, localizado no Chile, e isso nos permite pensar sobre a possibilidade de haverem outros em nosso caminho, inclusive brow-dwarfs.

A ciência admite que podem haver muitos dos chamados "planetas sem-teto" por nossa Galáxia.



Mediano da Galáxia

Astronomicamente estamos em um dos "braços" da Via Láctea (o nosso chama-se Orion), girando com todo o conjunto de corpos celestes que existem, mas muitos pensam nesse sistema todo como apenas bi-dimensional e cometem o engano de afirmarem que se tudo se move em conjunto, como se fosse uma espécie de Trem (um atrás do outro) ou disco fonográfico (mantendo sempre suas posições relativas).

O Braço de Orion, na Via Lactea

A Terra e o Sistema Solar movem-se também para cima e para baixo em torno do núcleo central da Via Láctea, e passamos ciclicamente pelo “mediano da Galáxia”, o trecho mais "habitado" da Via Láctea. Esta passagem leva entre 30 e 33 milhões de anos para ser realizada.





Em Abril de 2007, pesquisadores da Universidade de Kansas (EUA), apresentaram uma teoria a Sociedade de Física Norte-americana, o qual sugere que a passagem da Terra pelo meridiano da Galáxia estaria envolvida com extinções em massa na Terra.

O motivo, segundo esta teoria, seria a intensificação da emissão de raios cósmicos, concentrada no meridiano.


Nuvem de Oort

A passagem de outros corpos celestes afeta gravitacionalmente a Nuvem de Oort, fazendo com que objetos lá localizados sejam “arremessados” contra nosso Sistema Solar. Isso aumenta a possibilidade de mudanças resultantes de choques com outros corpos celestes, e acredita-se que algum dos choques de grandes objetos no passado terrestre deveram-se a isso (a mais conhecida foi há 65 milhões de anos e extinguiu os dinos; a do permiano praticamente acabou com toda a vida na Terra, há 250 milhões de anos).



A preocupação com este tipo de evento é real, e apenas para exemplificar, em Novembro de 2008, um grupo de cientistas pediu que a comunidade internacional desenvolva um mecanismo global para defender o planeta dos possíveis impactos devastadores de meteoritos. 

Foi elaborado o relatório "Ameaças de asteróides: uma chamada para uma resposta global", pela Associação de Exploradores do Espaço (ASSE, na sigla em inglês) e apresentado à ONU.


NEOS - Near-Earth Objects - Objetos Próximos a Terra
(atualização 02/01/2015)


Quando este texto foi originalmente escrito em Junho de 2007, a possibilidade do choque com um cometa ou asteroide , embora considerada, não me parecia tão forte. Alguns anos depois, foi escrito o texto Escala Torino e Panspermia, que trata mais detalhadamente da questão e que demonstra a mudança da minha percepção sobre o assunto.

De fato os NEOs representam um perigo, e tem o potencial de causar as mudanças profetizadas para o nosso Mundo.

Vênus, o nosso vizinho cósmico, é o único planeta do sistema solar que gira “ao contrário”, e uma das teorias mais aceitas sobre o motivo, versa sobre o choque com um objeto que teria feito o planeta girar como um pião, e mudando para sempre a orientação de sua rotação.

Marte, nosso outro vizinho e que já teve, segundo evidências, um meio ambiente propício a vida como conhecemos, possui a maior cratera de impacto do sistema solar, e este choque foi determinante para a condição atual do planeta. 

Outro corpo celeste que sofreu um forte impacto foi Urano, que possui um eixo imaginário com fortíssima inclinação, resultado de pelo menos um grande impacto com outro objeto celeste.

Profeticamente falando sobre os NEOs ....


Jeane Dixonvidente norte-americana de renome e que acertou diversas previsões, como o lançamento do Sputnik e a morte de Kennedy, também profetizou que "Ocorrerá algo que abalará literalmente a Terra... um fenômeno natural que, creio, será a intervenção divina, algo como um meteoro. Acontecerá numa questão de minutos e envolverá o deslocamento das águas ...

... A Terra tremia sob meus pés. Depois, foi como se o mundo deixasse de girar em redor de seu eixo. Vi que, neste século, haverá muitas mudanças geológicas e geográficas, bem como inúmeros terremotos. ... Onde agora existe água, haverá terra, e onde agora há terra, haverá águas revoltas e violentas, que correrão e destruirão tudo que encontrarem à sua passagem.

São Pio (Padre Pio de Petrelcina), Padre Italiano que foi canonizado por João Paulo II, e que jamais teve qualquer ligação com os demais citados, também afirmou que "Um meteoro cairá sobre a Terra e tudo estremecerá. Será um desastre muito pior que uma guerra. Muitas coisas desaparecerão. Esse será um dos sinais... a terra tremerá e o pânico será grande... o terremoto será como uma serpente deslizando por todos os lados. E muitas pedras cairão e muitos homens morrerão... Os homens viverão uma experiência trágica. Muitos serão arrastados pelas águas, muitos serão transformados em cinza pelo fogo...

De Benjamim Solari Parravicini, vidente argentino que registrou o futuro do Mundo em mais de mil desenhos premonitórios, e que previu que "Um planeta será ferido por um planeta apagado que roda os espaços. Esse planeta será a terra. A ferida do choque será naparte sul do hemisfério Norte e arrancará grande parte. Então o mundo terra vai tremer como um vulcão, igual a quando foi arrancado o pedaço da "América do Sul" hoje chamado no alto de "Suna". De novo o diluvio de novo a escuridão, de novo o eixo em seu lugar, de novo o rodar e um novo mar no fosso deixado, e de novo outra lua que brilhará mais.".



Profecia do "Schwarze Spinne" ou o "Monge Profeta": "Uma bola de luz singrará os céus e será confundida com o sol. Mas sua luz será fria, mais fria que os raios da lua... Depois o sol perderá sua força e descerão as sombras. A morte virá do céu e trará um raio da lua. "

(Fim da atualização 02/01/2015)


**


Mas devemos considerar também o efeito direto entre grandes corpos celestes, ou ainda um efeito dominó, em que um planeta de nosso Sistema solar seria afetado (efeito gravitacional), desencadeando o necessário reequilíbrio entre os demais corpos celestes, Terra inclusive.



A ciência admite esta possibilidade, através de evidências encontradas em nosso próprio Mundo, por exemplo :





**

Sabe-se que há alguns movimentos naturais de nosso Mundo que alteram a inclinação do Eixo, mas em níveis mínimos. Os movimentos de Precessão do Equinócio, Nutação, assim como os Ciclos de Milankovitch(tb chamado de Excentricidade de Órbita) são eventos naturais, cíclicos e que alteram a inclinação de nosso Eixo.

A Precessão ocorre a cada 24 mil anos, a Nutação a cada 300 anos, e os Ciclos de Milankovitch a cada 100 mil anos (períodos totais aproximados), sendo que apenas os Ciclos de Milankovitch são associados a grandes mudanças climáticas e com isso, a ciclos de extinções.


**


Enfim, o tema é vasto e merece várias ponderações, havendo também outras possibilidades para este teórico evento chamado Verticalização do Eixo :

- um deslocamento brusco das massas continentais, possivelmente causado por extremo vulcanismo ,devido a um choque com outro corpo celeste de dimensões médias, como um meteoro ou cometa. Este evento produziria ondas de choque que varreriam o manto, e gerando iterremotos e um imenso vulcanismo no ponto antipoda do impacto, ou seja, do outro lado do planeta. A soma de todos os efeitos somados , por sí só devastadores, também poderia alterar o torque de rotação do planeta, trazendo ainda mais problemas.

- alterações na dinâmica do manto por influência externa (particulas ou magnetismo, não por matéria), o que faria o movimento de rotação tornar-se errático. Terremotos e vulcanismo ocorreriam, e o planeta giraria desordenadamente até readquirir novo equilíbrio.



EFEITOS ?!

Como visto há "pontas soltas" cientificamente aceitas e que indicam que uma teoria sobre um corpo celeste intruso vir a causar danos a nosso Mundo, não é de todo absurda. Mas não há, pelo menos ainda, evidências reais deste corpo celeste, a não ser que consideremos as menções sobre ele que os Sumérios deixaram registrados em Cuneiformes intrigantes.

Pessoalmente, o que me levou a ponderar sobre a possibilidade da existência deste corpo celeste são os efeitos descritos em vidências e profecias.

E que efeitos são estes ?

Mudanças geográficas dramáticas como afundamento de Ilhas e de áreas continentais, terras submersas reaparecendo; Terremotos e Maremotos imensos; Estranhos fenômenos astronômicos nunca vistos; Descrição de movimento errático do Planeta; Um Período de uma estranha noite, uma noite (ou eclipse) que apavorará a todos com um período entre três dias e meio (Bíblia) e quatro dias de escuridão (Corão); A Impossibilidade de fuga do fenômeno, O Pavor dos homens e dos animais diante do acontecido; E a Descrição de uma Nova Terra e de um Novo Céu ao final do acontecido (“nova Terra” porque a geografia do planeta irá mudar – “novo céu” porque a Terra, ao recuperar-se o equilíbrio dentro das Leis de gravitação, estará em nova posição com relação ao seu redor – o céu observável mudará). Muitos vão reconhecer um ou mais elementos citados acima em variadas descrições proféticas, mas na verdade todos se referem aos eventos diretos e secundários do teórico processo de verticalização.

Algumas indicações Proféticas (efeitos)

APOCALIPSE 6:13-17
".. e as estrelas do céu caíram sobre a terra, como quando a figueira, sacudida por um vento forte, deixa cair os seus figos verdes. E o céu recolheu-se como um livro que se enrola; e todos os montes e ilhas foram removidos dos seus lugares. E os reis da terra, e os grandes, e os chefes militares, e os ricos, e os poderosos, e todo escravo, e todo livre, se esconderam nas cavernas e nas rochas das montanhas; e diziam aos montes e aos rochedos: Caí sobre nós, e escondei-nos da face daquele que está assentado sobre o trono, e da ira do Cordeiro; porque é vindo o grande dia da ira deles; e quem poderá subsistir?"

Abaixo, imagens reais do céu, obtidas com a técnica de alta exposição e astrofotografia.
As linhas são as estrelas percorrendo seu "caminho" celeste.
No caso de um movimento muito acelerado de nossa rotação, veríamos o céu de forma
parecida, com estrelas "caindo" e o céu se "enrolando", lembrando ainda que na
época do escrito Bíblico Livros eram Pergaminhos.


".. estrelas do céu caíram sobre a terra, como quando a figueira,
sacudida por um vento forte, deixa cair os seus figos verdes .."

"... E o céu recolheu-se como um livro que se enrola ..."

DANIEL 12:1
"Naquele tempo se levantará Miguel, o grande príncipe, que se levanta a favor dos filhos do teu povo; e haverá um tempo de tribulação, qual nunca houve, desde que existiu nação até aquele tempo; mas naquele tempo livrar-se-á o teu povo, todo aquele que for achado escrito no livro."

MARCOS

19-20 "porque naqueles dias haverá uma tribulação tal, qual nunca houve desde o princípio da criação, que Deus criou, até agora, nem jamais haverá. Se o Senhor não abreviasse aqueles dias, ninguém se salvaria mas ele, por causa dos eleitos que escolheu, abreviou aqueles dias."
...
24-25 "Mas naqueles dias, depois daquela tribulação, o sol escurecerá, e a lua não dará a sua luz; as estrelas cairão do céu, e os poderes que estão nos céus serão abalados."

"PEQUENOS SINAIS DO QYAMAT", retirado das Hadits do Islã
Durante o período da prática dos grandes pecados, depois do décimo dia do mês de Zul-Haj, a noite será muito longa, equivalendo a três ou quatro noites. Nessa altura, as crianças tornar-se-ão impacientes e histéricas. Os mais velhos vão grita, chorar e recorrer ao Taubah (arrependimento). Os animais com medo abandonarão o mato vindo para as, cidades e nessa altura, o Sol mudará o seu movimento aparente, e nascerá no Ocidente, como se de um eclipse solar se tratasse, e subira até ao ponto de meio dia. Ao verificarem este fato, todas as criaturas vão chorar, gritar e pedir perdão.


Trecho de “EPÍSTOLA A HENRIQUE, REI DA FRANÇA II”, de Nostradamus
"...esse acontecimento precederá um eclipse do Sol, o mais escuro e mais tenebroso jamais visto desde a criação do mundo até a morte e paixão de Jesus Cristo, e desde então até agora; depois, no mês de outubro, terá lugar uma grande translação, a tal ponto que todos pensarão que a Terra teria perdido seu movimento natural e estaria mergulhando nas trevas perpétuas."

**
Jesus, Yeshua, Iesous


"E vi um novo céu e uma nova terra. Porque já se foram o primeiro céu e a primeira terra, e o mar já não existe. E vi a santa cidade, a nova Jerusalém, que descia do céu da parte de Deus, adereçada como uma noiva ataviada para o seu noivo. E ouvi uma grande voz, vinda do trono, que dizia: Eis que o tabernáculo de Deus está com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o seu povo, e Deus mesmo estará com eles. Ele enxugará de seus olhos toda lágrima; e não haverá mais morte, nem haverá mais pranto, nem lamento, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas. E o que estava assentado sobre o trono disse: Eis que faço novas todas as coisas. E acrescentou: Escreve; porque estas palavras são fiéis e verdadeiras. (Apocalipse 21:1-5)



AS CRUZES

Para quem não estuda Profecias poderá passar despercebido o fato, mas para aqueles que estudam Profecias principalmente as Cristãs, isso fará sentido.

Existem em algumas profecias cristãs, referências sobre um grande acontecimento que será visto em todas as partes do globo, um sinal inequívoco da mudança planetária que ocorrerá.

Este sinal descrito por profecias cristãs, é comentado algumas vezes como uma enorme cruz no firmamento, e será o motivo de conversão de milhões de pessoas, profeticamente falando, um fato visível em todo o nosso Planeta: "Então aparecerá no céu o sinal do Filho do homem (a Cruz); e todas as tribos da terra se lamentarão, e verão o Filho do homem, vindo sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória.(Mateus 24:30)

Observem a figura do Cuneiforme de Nippur, mais acima, que mostra exatamente a proximidade    de Nibiru evidenciado como uma grande cruz.


Nibirú também foi representado conforme abaixo, e sempre se percebe uma Cruz.


No livro atribuido a Nostradamus chamado Vaticinia Michaelis Nostradami, existem alguns desenhos que possuem uma Roda como figura presente. Segundo especialistas (intérpretes) do Documentário sobre o assunto, produzido pelo History Channel, a roda representa a junção das cruzes mundana e cósmica.

Cruz Mundana  
Esta roda surge em algumas gravuras, mas com detalhes ligeiramente diferentes de gravura em gravura. 

A Cruz Divina, originada do centro da Galáxia para a extremidade, sendo completada desde o ponto central do Equador Celeste até o extremo Sul.

Somada aos outros 4 raios da cruz mundana, a da Terra, formada pelos ângulos do Equinócio e do Solstício.

OITO RAIOS, portanto.


Cruz Mundana e Cruz Divina

Então estas gravuras, segundo os interpretes citados, estariam indicando o momento em que tais eventos começariam a se precipitar em um ritmo frenético, e este momento indicado seria o do alinhamento de nosso Sol com o Cento da Galáxia. Embora seja uma teoria interessante, se considerarmos as distâncias, dimensões e períodos de tempo envolvidos, o ideia de um alinhamento perfeito e em um único momento não faz sentido.
 
Ainda assim, compare com uma das representações possíveis para Nibirú, feito pelos Sumérios há 4.500 anos atrás, aproximadamente.



 
E isso, por sua vez, coincide com algumas profecias cristãs e também em algumas mensagens Marianas, sobre um grande acontecimento que será visto em todas as partes do globo, um sinal inequívoco da mudança planetária que ocorrerá.




A BUSCA POR NIBIRU

Você considera que toda esta estória sobre Nibiru é coisa de estudioso de profecia ?

USNavy


Visite o estudo do Dr. Harrington do USNAVY Observatory (Observatório da Marinha do EUA) feito na década de 1980.

Mas não se impressione demais com este estudo, é bem realizado mas eu entrei em contato com o USNO há alguns anos e fui informado de que os dados com os quais o estudo foi realizado são considerados “antigos”, e que “podem” haver outras explicações para as conclusões do Dr. Harrington.

“Fabio:
I'm afraid that this data is no longer "recent". While the residuals in the orbits of Uranus and Neptune *could* be explained by a possible 10th planet, new information indicates that they can also be explained by instrumental errors and other observational factors. Newer techniques for orbit modelling can include chaotic factors that were unknown to Drs. Harrington and van Flandern.
The discovery of the first Kuiper Belt object in the mid-1990's, and the subsequent discovery of what now amounts to some 200 of them, essentially precludes the existence of one large body in this part of the solar system.
For the record, Dr. van Flandern left the USNO in the 1980's, and Dr. Harrington passed away in 1993.
Sincerely,
Geoff Chester
USNO Public Affairs Office”

Embora a resposta mais atual da USNO, isso demonstra que a questão é seriamente estudada, não são apenas “tolos” impressionáveis por profecias que se interessam pelo assunto, e que o Governo do EUA gasta dinheiro com isso.

Carloz Muñoz Ferrada


Muitas vezes já me perguntaram se Hercobulus (ou Nibiru) foi descoberto. Também já lí algumas vezes sobre afirmações de que um suposto corpo celeste intruso teria sido descoberto.

Os primeiros estudos cientificamente devotados a descoberta do suposto astro, que eu tenha conhecimento, foram realizados pelo Dr. Carlos Muñoz Ferrada, renomado astrônomo Chileno radicado em El Salvador, que ainda na década de 1940, afirmava que este corpo celeste existia além de Plutão. Segundo Muñoz, ele teria descoberto o astro através de observações indiretas e calculos matemáticos.

Ele o chamava de "planeta-cometa", segundo ele, devido a órbita excêntrica do suposto corpo celeste.

Cabe lembrar que Plutão foi descoberto fazia apenas uma década naquele ano, e nada se sabia sobre corpos celestes além de Plutão. Então Carlos Muñoz foi um visionário de certa forma, ao prever corretamente que além de Plutão haviam outros corpos celestes de grandes dimensões.

Hoje conhecemos Sedna e outros objetos além de Plutão, mais ainda sabemos muito pouco sobre eles.

O primeiro anúncio "OFICIAL" de que o teórico corpo celeste intruso estaria vindo em nossa direção, foi realizado por Munõz em 1947/1948, afirmando que o objeto seria visível por telescópios por volta de 1990.

Em 1988 Munõz previu a chegada deste objeto próximo a Terra por volta de 1999, e finalmente em 1993 foi publicado um artigo em alguns Jornais em que Muñoz reafirmava o fato.

O Jornal Listin Diário foi um dos primeiros, talvez mesmo o primeiro, a dar destaque a questão.

Esta matéria, assim como algumas outras afirmações de Muñoz, são consideradas como uma comprovação de que o suposto corpo celeste existe. Seja por desconhecimento, tendenciosidade ou por falta de aprofundamento na questão, há várias réplicas parciais com transcrições de afirmações de Muñoz e do conteúdo abaixo, e isso realimenta a "lenda" de que o objeto já foi descoberto.

Mas na verdade, a busca permanece !!


Cópia da Matéria de 1993, dando o (falso) anúncio da
descoberta de Hercólubus

Como se vê, embora Muñoz tenha realizado acertos e teorizações brilhantes, cometeu erros ao afirmar que este objeto seria visível por volta de 1990, e que chegaria até nós por volta de 1999.

O Dr. Carlos Muñoz Ferrada faleceu em Outubro de 2001.



Terceira atualização de 14/02/2016


Nibirú e Planeta Nove são a mesma coisa?




O anúncio da possibilidade de haver um novo planeta nos confins do Sistema Solar causou grande euforia entre o pessoal que acredita na existência do planeta Nibiru, a maior parte desdenhando o conhecimento científico atual.

Desde que Michael Brown publicou o paper (trabalho científico) sobre a hipótese de que um novo objeto orbitava no Sistema Solar, milhares de pessoas passaram a desdenhar sobre o estudo, afirmando que o povo Sumério já sabia da existência desse planeta há milhares de anos. Segundo eles, esse corpo se chama Nibiru e já pode ser visto por telescópios.

A maioria das pessoas que acredita nessa história costuma argumentar que Nibiru está vindo em nossa direção. No Brasil, os adeptos da existência de Nibiru costumam evocar a música "Segundo Sol", de Nando Reis, como uma espécie de profecia interpretada por Cássia Eller.

Diferente de argumentos e hipóteses científicas que precisam ser provados e quase sempre são reformulados para refletir a realidade, Nibiru é uma fábula em que muitas pessoas preferem acreditar, já que é uma história interessante, fácil de ser entendida e não precisa ser provada.

O que é Nibiru?
Para quem não sabe, Nibiru é um planeta hipotético, proposto pelo escritor e arqueólogo já falecido, Zecharia Sitchin, após traduzir e interpretar antigos textos sumérios.

Segundo ele, o povo sumério (que existiu na Terra entre 6500 a.C e 1940 a.C) já tinha conhecimento de todos os planetas do Sistema Solar, inclusive Nibiru, que segundo ele orbitaria o Sol de forma altamente elíptica a cada 3450 anos. Para Sitchin, a própria cultura suméria foi criada pelos extraterrestres que viviam em Nibiru, chamados Anunnakis, que aqui chegaram há 450 mil anos.



Pela interpretação de Sitchin, Nibiru estaria atualmente se aproximando do Sistema Solar interior, o que provocaria grandes mudanças nas orbitas dos planetas, inclusive na terra, com a consequente destruição da humanidade. Para os adeptos de Nibiru, diversos fenômenos naturais que ocorrem na Terra já são consequência dessa aproximação.

Segundo os astrofísicos, a fantástica história de Sitchin não se sustenta por diversos motivos e não tem qualquer relação com as descobertas e hipóteses feitas à luz da ciência. No entender dos historiadores (que não são cientistas), existem tantas incorreções nas traduções feitas por Sitchin que seus textos nem são usados no apoio às pesquisas modernas.

Crendice
Quando Mike Brown anunciou a possibilidade de um planeta enorme, escuro e de órbita extremamente alongada, exatamente como o proposto por Sitchin, não faltaram risadas e sarcasmos, já que "todos" já sabiam sobre Nibiru, mas sua existência estaria sendo negada pelas autoridades para não criar pânico na população. No entanto, a presença do objeto havia ficado tão evidente que não era mais possível nega-la.

Fim Atualização

**


Links


Na página http://adsabs.harvard.edu/abs/1988AJ.....96.1476H você achará a opção "Find Similar Abstracts", logo acima-esquerda do site. Clique e verá dentre outros assuntos, estudos que falam diretamente sobre o teórico planeta X, e soure outros corpos celestes de forte força gravitacional e/ou de grande massa, assim como tais objetos podem influenciar outros.


Exatamente o que o teórico Nibirú seria ou exerceria. Use a Opção "Sort" para organizar, e Boa Pesquisa. E não deixe de ler sobre a Escala Torino.



**

I M P O R T A N T E 

As informações acima NÃO REFLETEM adequadamente os aspectos Religiosos, Morais e Proféticos da Segunda vinda de Jesus, mas buscam explicar a pálida luz de nossa ciência, como alguns eventos cientificamente aceitos poderiam se encaixar nas mudanças geofísicas profetizadas.

Portanto não são explicações que abrangem a totalidade da questão, mas apenas um de seus aspectos.






(clique nas imagens do Blog para amplia-las)

Compre o Livro "O que são Profecias"

Compre o Livro "O que são Profecias"
Links para Compra do Livro

Participe do MidiaeProfecia Espaços

Contato

Minha foto
Curioso sobre Profecias e assuntos relacionados.